Eleições livres e justas na Guiné Conacri

Eleições livres e justas na Guiné Conacri 13.02.2020

A União Europeia e os parceiros regionais como a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) “devem estar atentos e pedir responsabilidades e esclarecimentos adicionais relativamente à escalada de violência de Estado Guiné Conacri, insistindo junto das autoridades para a importância da realização de eleições legislativas justas e livres”, afirmou Carlos Zorrinho no Parlamento Europeu em Estrasburgo.   O deputado, ao intervir no ponto da ordem de trabalhos relativo à violência contra manifestantes na Guiné Conacri, aludiu aos “ventos antidemocráticos que sopram” no país, onde Alpha Condé, de 81 anos, na presidência há 10 anos, “se prepara para submeter a referendo uma alteração constitucional feita à sua medida, de forma a permitir a candidatura a um terceiro mandato”.

 

 

Novos desafios não se concretizam sem esforço dos agricultores

Novos desafios não se concretizam sem esforço dos agricultores 13.02.2020

A estratégia europeia “Farm to Fork” tem de seguir “um caminho ambicioso no sentido da sustentabilidade dos sistemas alimentares e se afirme de modo inequívoco na resposta aos desafios ambientais, climáticos, de saúde humana e bem-estar animal”, advertiu Isabel Estrada Carvalhais na sessão plenária de Estrasburgo.   “A estratégia também tem de integrar um olhar de respeito e de reconhecimento pelos agricultores e pelo meio rural”, acrescentou.

 

 

“Precisamos de regimes coerentes de supervisão”

“Precisamos de regimes coerentes de supervisão” 12.02.2020

A regulação e as unidades nacionais de inteligência e supervisores “foram insuficientes” face às práticas financeiras ilegais em diversos países da Europa. Pedro Marques, ao intervir na sessão plenária de Estrasburgo sobre a luta contra a lavagem de dinheiro, reconheceu ser “necessário fazer mais para lidar com práticas ilegais em atividades financeiras”.

 

 

Europa não pode ser cúmplice de verdadeiros crimes

Europa não pode ser cúmplice de verdadeiros crimes 12.02.2020

Isabel Santos apelou a ação das instituições europeias para acudir aos refugiados e migrantes que estão em campos à porta da Europa. “A nossa inquietude não pode equivaler nem a silêncio nem a inação, a Europa e as nossas instituições não podem ser cúmplices daquilo que constituem verdadeiros crimes”, disse.

 

 

UE deve usar a sua voz na ONU contra as desigualdades

UE deve usar a sua voz na ONU contra as desigualdades 12.02.2020

Maria Manuel Leitão Marques sugeriu que a União Europeia possa “usar a sua voz na luta contra as desigualdades, festejando o que foi já conseguido e erguendo-a por aquilo que não foi” na próxima Comissão das Nações Unidas sobre a Mulher.   “Continuamos a travar batalhas do passado, que já deviam ter sido ganhas há muito, a defender direitos adquiridos que muitos tinham dado por eternos, ao mesmo tempo que trabalhamos para prevenir as desigualdades no futuro”, afirmou a deputada no hemiciclo de Estrasburgo.