Sem estratégia europeia de cibersegurança não haverá mercado único digital

Sem estratégia europeia de cibersegurança não haverá mercado único digital

09.06.2021

A segurança offline e a a cibersegurança são pilares centrais “para que os cidadãos confiem em nós” disse Maria Manuel Leitão Marques no debate parlamentar de Estrasburgo. Sem uma estratégia europeia “não haverá mercado único digital, e sem mercado único digital não haverá uma União Europeia do século XXI.”

Ao intervir no debate sobre cibertataques na Europa, a deputada apelou ao trabalho comum. “Só estaremos mais seguros se trabalharmos juntos a 27”. A migração “crescente das nossas vidas para a esfera online e aumento dos produtos em rede, o armazenamento de muitos dados e sua utilização em serviços públicos e privados tornaram evidente a importância da cibersegurança.”

Uma questão de “soberania, de sobrevivência, de capacitação tecnológica e de organização económica e social, para enfrentar com sucesso os desafios da próxima década”, sustentou Carlos Zorrinho no mesmo debate parlamentar.

O deputado apelou para que “a resposta sistémica” prevista na estratégia europeia de cibersegurança “se concretize desde já e com grande eficácia e cooperação.”

Carlos Zorrinho definiu três ações prioritárias: combater a fragmentação regulatória e processual, definindo legislação horizontal, encorajar a partilha de informação entre os Estados-membros e promover a ciberliteracia em todos os patamares da sociedade.