Migrantes e refugiados não são arma de arremesso

Migrantes e refugiados não são arma de arremesso

10.06.2021

Os princípios do superior interesse das crianças e da unidade familiar “são inalienáveis”, afirmou Isabel Santos durante o debate parlamentar sobre a crise migratória em Ceuta. “Não! Os migrantes e refugiados não podem ser usados como arma de arremesso”. A deputada considerou que colocar a vida de menores não aocmpanhados e famílias inteiras em risco, “é algo que não pode passar sem reação.”

Os recentes acontecimentos em Ceuta “seriam evitáveis, se a União colocasse termo à continuada externalização da sua política de imigração e asilo, construindo corredores humanitários, bem como, um mecanismo obrigatório de partilha das responsabilidades entre Estados-membros, vias seguras e regulares, para aqueles que procuram proteção internacional e para os que buscam uma oportunidade de vida digna na Europa.”

Isabel Santos defendeu que os Estados Membros devem garantir, no âmbito do Pacto para a Migração e Asilo, “a melhor forma” de proteger os menores não acompanhados na União Europeia, “pondo termo aos desaparecimentos e todo o tipo de atropelos” a que estão sujeitos. “O tempo corre e exige.”