Repúdio

Repúdio

19.12.2019

A palavra foi utilizada por Isabel Santos no debate parlamentar sobre as alegações de abusos sexuais de rapazes no Afeganistão. “Sobre a capa de uma pretensa tradição fechou-se os olhos, demasiado tempo, a uma gritante violação dos direitos das crianças, das mais básicas regras dos direitos humanos”, disse.

“Os passos, finalmente dados pelo governo afegão, para a irradicação deste costume mostram-se insuficientes e continuam a chegar relatos de crianças abusadas e de defensores dos direitos humanos atacados e arbitrariamente detidos”, sustentou.

A deputada exigiu proteção e libertação de todos os que lutam pelos direitos das crianças e que “se garanta a total erradicação desta prática de abusos, que seja colocado um fim à impunidade e se garanta o acesso das crianças à justiça e à sua não extradição quando se refugiam noutros países.”

“Todos são necessários no combate a este flagelo. Sabemos que as mentalidades demoram a mudar. Exige-se uma mudança legislativa, mas também uma intervenção por via da educação de modo a proteger as gerações futuras”, apelou Isabel Santos.