Regime global deve ser aplicado contra violações de direitos humanos

Regime global deve ser aplicado contra violações de direitos humanos

17.12.2020

As perguntas causaram desconforto durante o debate parlamentar sobre a repressão em Xinjiang, na China, contra minorias étnicas. “Alguém nesta sala tem a certeza que entre os componentes do seu vestuário não se encontra algodão produzido pelo trabalho forçado dos prisioneiros uighurnos cinicamente denominados campos de reeducação de Xinjiang”, questionou Isabel Santos.

A deputada continuou: “qual é a sensação? Desconforto?”

Depois em jeito de resposta, Isabel Santos defendeu a aplicação do regime global de sanções contra violações de direitos humanos. O mecanismo “deve ser aplicado às autoridades chinesas implicadas na perseguição ética, religiosa e política em Xinjiang, mas também no Tibete.”

A deputada recordou ainda os casos de Ilham Tohti, Prémio Sakharov 2019, que “continua detido sem contacto com a sua família e sem o seu advogado” e de Tsz-Lun Kok, cidadão de Hong Kong com nacionalidade portuguesa, “ou seja cidadão europeu, detido desde agosto” que permance incomunicável na China.