Estratégia europeia de saúde

Estratégia europeia de saúde

23.03.2020

Maria Manuel Leitão Marques, num artigo de opinião no jornal “Público”, defende a importância de uma estratégia europeia de saúde. “Se temos políticas comuns em várias áreas neste espaço de mobilidade, temos de salvaguardar o ativo mais importante da União Europeias: as pessoas”, escreve a deputada.

“Se temos um mercado interno com livre circulação de pessoas (incluindo para fins lúdicos), serviços, bens e capitais, se temos economias ligadas por uma moeda única, poderemos ter diferenças tão significativas nas políticas de saúde, nas medidas de prevenção, nos sistemas de atendimento e tratamento, e na disponibilidade de bens e serviços com eles relacionados”, questiona.

Na opinião de Maria Manuel Leitão Marques “a proporcionalidade e a subsidiariedade têm de estar sempre presentes, aqui como em outros domínios de decisão ao nível da União Europeia, mas esta crise mostra como é importante haver uma estratégia europeia de saúde e autoridades coordenadoras capazes de decidir medidas de pilotagem conjuntas e atempadas em certas circunstâncias que não serão sempre excecionais.”

“No papel, alguns destes instrumentos até já podem existir, mas talvez não com a capacidade de intervenção que é necessária”, acrescenta a deputada.