Estratégia europeia de combate à mutilação genital feminina é fundamental

Estratégia europeia de combate à mutilação genital feminina é fundamental

18.12.2019

O apelo foi deixado no Parlamento Europeu por Maria Manuel Leitão Marques: “não podemos baixar os braços enquanto uma só mulher ou rapariga for vítima de mutilação genital”.

Infelizmente há poucos dados disponíveis sobre este flagelo que já não devia existir no século XXI. Sabe-se que há cerca de 200 milhões de vítimas de mutilação genital feminina, 500 mil dos quais na União Europeia”, enumerou a deputada.

Maria Manuel Leitão Marques defendeu que os Estados-Membros recolham mais dados sobre este fenómeno, “para sermos mais eficazes no seu combate”, que se apoiem “respostas inovadoras como, por exemplo, a i-cut app do grupo “The Restorers”, do Quénia”, finalistas do prémio Sakharov deste ano e “continuemos a defender a adesão à Convenção de Istambul, onde está prevista a criminalização da Mutilação Genital Feminina, bem como a sua ratificação pelos Estados-Membros em falta”.