Eleições presidenciais no Uganda foram um mau exemplo

Eleições presidenciais no Uganda foram um mau exemplo

11.02.2021

Carlos Zorrinho, Presidente da Assembleia Parlamentar paritária ACP/UE, considera que “as eleições presidenciais no Uganda foram um mau exemplo do que devem ser os processos políticos transparentes e justos”.

Os observadores internacionais “foram impedidos de exercer a sua missão”, num quadro em que “a violência foi usada e abusada para condicionar o debate, a participação e as escolhas eleitorais”, e a “liberdade de expressão foi violada”, descreveu o deputado.

Carlos Zorrinho foi perentório ao afirmar que as autoridades daquele país africano “não podem prosseguir de forma impune a sua ação predadora dos direitos e da segurança das populações”.

“O uso da força que conduziu à morte, ferimento, desaparecimento e prisão arbitrária de um número muito significativo de cidadãos, apoiantes dos candidatos opositores ao presidente Museveni, tem que ser investigada de forma independente, de modo a serem tiradas todas as consequências”, sustentou o deputado. 

O Presidente da Assembleia Parlamentar paritária ACP/UE explicou que ao “deplorarmos” aquilo que se está a passar no Uganda, “fazemo-lo em nome dos direitos humanos e dos valores políticos em que acreditamos, mas fazemo-lo também porque desejamos o bem-estar dos povos e não queremos ver cerceados os seus sonhos e aspirações a uma vida digna.”